Deputado Filippe Poubel desafia políticos que defendem lockdown a suspender seus salários

O deputado estadual Filippe Poubel (PSL) fez um desafio aos governadores, prefeitos e colegas de Legislativo que defendem o lockdown a abrirem mão de seus salários em favor de trabalhadores que estão sendo impedidos de exercer suas atividades devido às medidas restritivas impostas no país em enfrentamento à pandemia Covid-19.


Poubel chamou de “hipocrisia” o comportamento de políticos que estavam nas ruas pedindo votos nas eleições do ano passado, “aglomerando”, e agora defendem o “fique em casa” sem oferecer alternativas de sustento para trabalhadores.


O discurso foi realizado na tribuna da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), nesta quinta-feira (18), ocasião em que Filippe Poubel lembrou um projeto de lei que apresentou, no ano passado, para redução em 50% dos salários dos deputados com utilização do recurso para combate ao coronavírus. A proposta, no entanto, não prosperou na Casa.


“É muito fácil fácil falar de lockdown, de fechamento dos comércios, de fique em casa, enquanto o salário cai rigorosamente todo mês na conta. Agora estou propondo o cancelamento para todos, deputados socialistas, dividam os salários com os trabalhadores que estão impedidos de ir e vir, de trabalhar de dia para comer à noite. Estão matando de fome as pessoas, querem assassinar a economia do país para desestabilizar o governo federal”,  discursou Filippe Poubel.


O deputado ainda defendeu a suspensão temporária do pagamento de impostos como IPVA e IPTU, e contas de água e luz. “Quem vai sustentar o lojista e comerciante impedido de funcionar, pagar o aluguel do ambulante que vende de dia para comer à noite?”, questionou Filippe Poubel, que também repudiou a jornalista Maju Coutinho, que falou “o choro é livre” para justificar o lockdown.

“É muito fácil fácil falar de lockdown enquanto o salário cai rigorosamente todo mês na conta”, afirmou Filippe Poubel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *