GOVERNO ANTECIPA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE

A confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil e o rápido aumento do número de casos suspeitos fizeram com que o Ministério da Saúde decidisse antecipar para 23 de março o início da campanha de vacinação contra a gripe deste ano.

De acordo com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, além de começar mais cedo — a data anunciada previamente era 13 de abril — a campanha deve incluir novos grupos populacionais. 
“Essa campanha é pensada sempre acima de 60 anos.

Este ano, vamos fazer outros grupos, além dos idosos. Devemos fazer forças de segurança, população presidiária e agentes penitenciários, por exemplo. Devemos fazer a ampliação de segmentos para diminuir a circulação epidêmica”, afirmou Mandetta, em entrevista coletiva em São Paulo, sem definir exatamente quais grupos serão incluídos.

“Esse grupo das pessoas que têm prioridade para tomar vacina aumenta a cada ano.

O grupo dos policiais foi adicionado no ano passado, por exemplo”, acrescentou, em Brasília, o secretário executivo do ministério, João Gabbardo,
Em 2019, além dos idosos, podiam se vacinar na rede pública crianças e gestantes, mulheres que tinham dado à luz até 45 dias antes, trabalhadores da saúde, indígenas, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras em condições clínicas especiais, adolescentes e jovens em medida socioeducativa, presos e profissionais da Segurança Pública.


Crescimento dos casos suspeitos

Segundo Mandetta, a vacina da gripe (vírus influenza), embora não proteja contra o coronavírus, ajudará a reduzir os casos de infecções, diminuindo a sobrecarga do sistema de saúde. “A vacinação contra a gripe é um instrumento importante neste momento, porque você diminui o espiral de epidemias desses outros vírus que podem ocorrer e confundir a população”, justificou.
O Ministério da Saúde afirmou ainda nesta quinta-feira que o total de casos suspeitos no país chegou a 132, com tendência a se elevar rapidamente.

O único caso confirmado até agora continua sendo o de um paciente em São Paulo de 61 anos, diagnosticado na terça-feira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *