Polícia Civil faz operação para desarticular quadrilha que furtava combustível na Baixada Fluminense

A Polícia Civil prendeu na madrugada desta quinta-feira (21/11) 18 suspeitos de furtar combustíveis na Baixada Fluminense, de acordo com as investigações, a quadrilha lucrava R$ 4 milhões por mês.

Estão sendo cumpridos 17 mandados de prisão preventiva, 14 mandados de busca e apreensão em empresas e residências dos investigados, e 15 mandados de busca e apreensão de caminhões-tanques utilizados no transporte de combustível. A ação se concentra nos bairros Jardim Primavera e Pilar. Até agora, 18 pessoas já foram presas.

O esquema consistia em romper o lacre de caminhões-tanque legalizados que saíam da Refinaria de Duque de Caxias (Reduc) em garagens. O combustível furtado era transferido para galões menores e transportado em utilitários.

A ação é o desdobramento de uma investigação da 60ª DP (Campos Elíseos) que começou há oito meses. A operação Saccularius aponta que a quadrilha movimentou R$ 8 milhões em roubo e adulteração de combustíveis. Os bens dos investigados serão bloqueados pela Justiça.

As investigações duraram oito meses. A polícia afirma que o bando também adulterava os produtos com solventes. A tática servia tanto para revenda do combustível a preços bem abaixo do mercado quanto para camuflar o roubo nos caminhões-tanque.

A investigação identificou integrantes de uma organização criminosa, que por meio de empresas legais e com atuação no transporte de combustíveis, desviavam parte da carga em diversas garagens em Duque de Caxias conhecidas como “biqueiras”, destinando-a ao comércio clandestino.


Estima-se que a organização criminosa faturava R$ 4 milhões por mês. A atividade criminosa era tão lucrativa que alguns motoristas posicionados na base do organograma hierárquico trabalhavam para os empresários sem salário e vínculo trabalhista formal, auferindo renda exclusivamente com parte do combustível subtraído, chegando a lucrar R$ 6 mil semanais.

Os caminhões tinham sistema de rastreamento por GPS e até câmeras, mas, segundo a polícia, a quadrilha desligava os equipamentos nas garagens durante os furtos.



As empresas lucravam legalmente com o transporte de combustível e ilegalmente com os desvios, abastecendo seus próprios caminhões e revendendo a receptadores, além de não arcarem com salários, recolhimento de encargos trabalhistas, previdenciárias e tributos.


Mais de 100 agentes participam da ação e contam com o apoio de diversas delegacias do Departamento Geral de Polícia da Baixada (DGPB).



DESLIZAMENTO DE TERRA E ROMPIMENTO DE BARRAGEM PREOCUPA DEFESA CIVIL DO ESPIRITO SANTO

Pelo menos municípios do Espírito Santo decretaram situação de emergência por conta das fortes chuvas que atingem o estado há uma semana.

O risco de deslizamentos de encosta, rompimentos de barragens e alagamentos, são fatores que preocupam a Defesa Civil Estadual.

Na Grande Vitória, os municípios de Viana e Cariacica são os mais afetados. Na região serrana, Santa Leopoldina e Marechal Floriano foram os locais que sofreram deslizamentos de encostas, desabamento de casas e alagamentos. 

Em Santa Leopoldina, três mortes foram confirmadas. Já no sul do estado, Alegre registrou destruição e consequências relevantes por conta das fortes chuvas. 


O deslizamento de terra é considerado pelo Corpo de Bombeiros Militar do estado, o maior risco nesse período intenso de chuvas, seguido por inundações. Além disso, as barragens ilegais, que estão fora do monitoramento da Defesa Civil, gera preocupação e medo por parte das autoridades.  

“Nossas rodovias também preocupam bastante. É muito perigoso acontecer um deslizamento no momento em que veículos estejam circulando por esses locais. Se isso acontecer, poder gerar um grave acidente”, explicou o tenente-coronel Carlos Wagner. 

Segundo a Defesa Civil, uma equipe monitora principalmente os pontos onde há risco de deslizamento de terra e rompimento de barragens. Os deslizamentos de encostas são considerados os fatores mais preocupantes, pois além de destruírem estradas e imoveis, são eventos rápidos, que na maioria das vezes não permitem que os atingidos consigam escapar sem ferimentos. 

Outro risco é o rompimento de barragens. Uma delas, em Marechal Floriano, que está sendo constantemente bombeada, pois o equipamento que permitiria a vazão natural da água, está entupido. Outras duas barragens ficam em Santa Leopoldina, um dos municípios mais afetado pelas chuvas. 

No entanto, segundo os bombeiros, em uma delas o problema já foi resolvido e na outra uma análise técnica foi realizada durante a tarde de quarta-feira (20/11), para evitar que um rompimento aconteça.

Na Grande Vitória, Viana é o município mais afetado. Além das inundações nas regiões de Ribeirinha, o deslizamento já fez muitas pessoas deixarem suas casas.

Na Serra, na quarta-feira (20), parte de uma casa no bairro Eldorado desabou. Ninguém ficou ferido. A Defesa Civil também interditou um prédio no bairro Nova Carapina. Segundo a prefeitura do município, os moradores estão assistidos. 

Em Vitória, um alerta de risco e deslizamento foi emitido para 11 bairros. Ao todo, são 25 áreas de risco, onde vivem mais de 6.600 pessoas.

Em Cariacica, a prefeitura informou que já atendeu 237 chamados, desde o inicio das chuvas na última semana. Contudo, uma equipe continua monitorando as áreas criticas, limpando ruas e realizando reparos de emergência.

Na quarta-feira (20), um barrando cedeu e o muro de uma casa no bairro Joana Darc caiu. No município, a morte de um idoso foi confirmado pelas autoridades. 

Em Vila Velha, parte de uma pedra rolou com cerca de 70 toneladas e atingiu parte de uma residência no Morro Boa Vista. O fato aconteceu na noite da última terça-feira (19). Uma equipe da Defesa Civil esteve no local e fez uma nova vistoria.

MP, polícia e Seap realizam operação contra o tráfico, em Campos

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), a Polícia Civil e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) realizaram nesta quinta-feira (21/11) a Operação Torniquete contra uma organização criminosa responsável pelo tráfico de drogas em São Francisco de Itabapoana, no Norte Fluminense.

Pelo menos sete suspeitos já estavam no sistema prisional e dois foram presos na operação, além dos mandados de prisão, os agentes cumpriram mandados de busca e apreensão nos endereços dos suspeitos e nas celas da Cadeia Pública Dalton Crespo de Castro, em Campos dos Goytacazes.

De acordo com a denúncia, os integrantes da facção criminosa guardaram, para fins de tráfico, mais de 8 kg de maconha e 1,1 kg de cocaína, entre outras drogas, tendo sido surpreendidos por agentes da Polícia Militar, que apreenderam o material.

No dia da apreensão, os agentes também apreenderam material destinado ao preparo da carga de drogas, bem como um caderno com anotações referentes ao comércio do tráfico de drogas no local.

Através do caderno foi possível constatar que os denunciados atuavam conjunta e organizadamente para a prática do crime.

Segundo o MPRJ, as drogas eram semanalmente distribuídas a todos os integrantes do grupo para que fossem alocadas nas respectivas “bocas de fumo”, onde seriam comercializadas.

De acordo com as investigações, o produto da venda beneficiava toda a associação criminosa, uma vez que os lucros eram repartidos entre eles.

Ainda segundo o MPRJ, além da prática de tráfico de drogas nas localidades de Bom Jardim, Santa Clara, Estreito, Volta Redonda, Praça João Pessoa, Macuco e Centro, estão entre outros crimes praticados pelos integrantes do grupo a posse ilegal de armas de fogo e uma tentativa de homicídio em razão de disputa pelo tráfico de drogas local.

Campos 24 Horas

CAMBUCI SOFRE COM AS CHUVAS DESTA QUARTA FEIRA

A cidade de Camuci no noroeste do estado sofreu com as chuvas que cairam na região nesta quarta feira (20/11), as chuvas provocaram alagamentos, quedas de árvores e interdições de estradas.

Segundo a defesa civil, choveu nesta quatrta feira cerca de 100 mm em quatro horas. O esperado para todo o dia era 35 mm.

Ainda segundo a Defesa Civil, uma ponte que liga a cidade ao parque aquatico,apenas pedestres conseguem ter acesso, as estradas interditadas são as que ligam Cambuci a Monte Verde e São João do Paraíso.


Já no bairro Suburban, algumas residências ficaram alagadas durante o temporal, mas segundo Eduardo, a água já abaixou.


Deslizamento de terra no morro Caixa D’água em Pádua

Nessa quarta-feira em Pádua a chuva também foi bastante intensa, choveu cerca de 50mm, e com isso um ponto no morro Caixa D’água houve deslizamento.

O corpo de bombeiros teve no local na noite de ontem, e na manhã de hoje 21/11 a Defesa Civil de Pádua esteve no local e interditou o local, pois há riscos maiores pois à previsão de mais chuvas.

A Defesa Civil orientou os moradores a não passarem pelo local, e em caso de risco para procurarem um local seguro.

A Defesa Civil também registrou uma queda de árvore.

Segundo moradores o local já havia apresentado rachaduras que foram comunicadas a Secretaria de Obras, que não fizeram nada no local.

O Jornal na Boca do Povo sede espaço para a Defesa Civil ou a Secretaria de Obras manifestarem sobre o assunto.

Tentamos contatato com o secretário de obras Alexandre Brasil, mais até o momento não obtivemos respostas.