Bolsonaro apela a caminhoneiros para que não parem o País

Presidente disse a apoiadores que paralisação não interessa a ninguém: ‘Não é matando a vaca que vai eliminar o carrapato’

Em uma fala a apoiadores no final desta quarta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro amenizou o discurso e fez um apelo aos caminhoneiros para que não parem o País. Após as falas do presidente do 7 de setembro, rodovias em vários Estados foram interrompidas pelos caminhoneiros gerando riscos de desabastecimento.

“Vou ter que apelar aos caminhoneiros para que não parem o Brasil, sei do poder que eles têm, reconheço o trabalho que eles fazem, mas acredito que a paralisação não interessa a nenhum de nós. Agradeço aos caminhoneiros por tudo o que eles têm feito. Não é a gente matando a vaca que vai eliminar o carrapato,” disse.  O presidente disse que os caminhoneiros são aliados e  esses bloqueios atrapalham a economia. “Isso provoca desabastecimento, inflação, prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres. Então, dá um toque nos caras aí, se for possível, para liberar, talkey? Para a gente seguir a normalidade. Deixa a com a gente em Brasília agora. Não é fácil negociar, conversar por aqui com outras autoridades, mas a gente vai fazer a nossa parte e vamos buscar uma solução para isso, ok? Aproveita aí, para em meu nome, dar um abraço em todos os caminhoneiros por aí. Valeu.”

Após a duivulgação do áudio com o apelo de Bolsonaro aos caminhoneiros, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, divulgou um vídeo às 22h30 atestando a veracidade do áudio. Ele disse que há questionamentos entre caminhoneiros se o áudio é real e se é uma gravação atual. “Esse áudio é real, é de hoje e mostra a preocupação do presidente com a paralização dos caminhoneiros. Essa paralização iria agravar efeitos na economia, de inflação, que iria impactar os mais pobres, os mais vulneráveis. Nós já temos um efeito hoje nos preços dos produtos em função da pandemia. A inflação hoje tem um componente internacional e uma paralização vai trazer desabastecimento, vai acabar impactando os mais pobres e mais vulneráveis e prejudicando a população. A gente sabe que há uma preocupação de toddos com a mehoria da situação do país, com a resolução de problemas graves. Mas a gente não pode tentar resolver um problema criando outro e prejudicando os mais vulneráveis. Daí a preocupação do presidente da República”, afirmou. O ministro conclui pedindo que os caminhoneiros confiem no diálogo. 

Fonte: R7 Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *