Pelo menos 11 paduanos e aperibeenses já cairam no golpe do Whatsapp

Um golpe da clonagem da conta do WhatsApp está fazendo vítimas. O golpe acontece da seguinte forma: uma pessoa envia mensagem dizendo ser funcionário de site de compra, o golpista entra em contato e pede que a vítima digite um código de seis números para supostamente ativar um anúncio; esse código é a verificação do WhatsApp e com ele o criminoso consegue clonar a conta do consumidor.

Após a clonagem, o golpista passa a enviar mensagens para os contatos da vitima pedindo dinheiro no nome dela. Na maioria das vezes, o infrator pede dinheiro para parentes e conhecidos, simulando alguma necessidade urgente.

A Polícia Civil alerta para não enviar o código de seis números. É importante ainda habilitar a “verificação em duas etapas” no WhatsApp: clicando em “configurações”, “conta” e “verificação em duas etapas”.

Status Whatsapp- Miracema Rj

Nossa equipe vem recebendo algumas mensagens onde a pessoa diz ter sido vítima desse crime, em um levantamento feito pela nossa redação na 136°DP pelomenos 11 pessoas já registraram esse crime sendo vítimas de Pádua e Aperibé, de acordo com os dados no ano de 2019 foram 06 casos registrados, já em 2020 foram registrados 05 casos, levando em conta que muitos deixam de registrar.

Visando ajudar a população no combate a crimes virtuais, que ficaram ainda mais acentuados em meio à pandemia, devido ao uso constante da internet, o Governo do Estado elaborou uma cartilha com orientações e dicas de especialistas em segurança virtual da Secretaria de Polícia Civil e do Procon-RJ.

”A cartilha, lançada pelo Governo do Estado, é um marco na defesa da sociedade, além de um importante instrumento de proteção ao usuário neste novo mundo tecnológico repleto de armadilhas. Muitos desses crimes no ambiente virtual ainda são desconhecidos por grande parte da população”, diz Allan Turnowski, secretário de Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Se for vítima desse golpe não deixe de ir a uma delegacia registrar o caso. É importante fazer uma print de tela que comprove o delito alegado, bem como a print da página do perfil do usuário que realizou a postagem falsa. Fique atento para que apareça a URL, que é o endereço da página.

Por: Jornal na Boca do Povo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *